Foto: Ge Ambiente

São Tomé e Príncipe compromete-se a aumentar as medidas de acção climática incluídas nas suas Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) que foram recentemente actualizadas.

O Ministro das Infra-estruturas e Recursos Naturais, Osvaldo d'Abreu submeteu no dia 30 de julho, o compromisso nacional atualizado sobre o clima à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC), renovando o seu compromisso com o marco histórico do Acordo de Paris de 2015, no qual os líderes mundiais concordaram universalmente em avançar com acções climáticas para limitar o aumento da temperatura a muito menos de 2 graus Celsius, enquanto prosseguiam os esforços para limitar a 1,5 graus mais seguros.

Ao abrigo deste acordo, os países concordaram em desenvolver compromissos climáticos - também conhecidos como "Contribuições Nacionalmente Determinadas" ou "NDC" - que, no seu conjunto, ajudarão a enfrentar o aquecimento global. O acordo também apela aos países para reverem e reforçarem os seus NDC de cinco em cinco anos. No entanto, é cada vez mais evidente que devem ser tomadas medidas urgentes para inverter as actuais tendências insustentáveis, levando a grandes expectativas de que os governos se comprometam com promessas ambiciosas que não deixem ninguém para trás.

Alguns dos principais componentes do novo compromisso climático de São Tomé e Príncipe até 2030 incluem:

- Um objectivo total de redução de gases com efeito de estufa de 109 ktCO2eq (acima dos 57 ktCO2eq em 2015).

- O número de medidas de mitigação, adaptação e medidas transversais, aumentou de 18 para 29 em relação a 2015,

- Novo objectivo para aumentar a produção de energia renovável de 26 MW para 49 MW,

- Integração de medidas de mitigação e adaptação para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e aumentar a resiliência em sectores-chave da economia azul, incluindo energia, transportes, protecção civil, pescas, agricultura, pecuária, silvicultura, água e gestão de resíduos.

"No contexto global, os nossos compromissos assumidos podem parecer modestos; contudo, a nível nacional, são bastante ambiciosos no que diz respeito à mitigação. Uma vez implementados, os nossos objectivos permitiriam a transição para energia limpa e a substituição dos combustíveis fósseis, que até agora têm sido a única fonte primária de produção de energia no país", disse o Ministro das Infra-estruturas e Recursos Naturais, Osvaldo d'Abreu, . "Estes objectivos podem ajudar-nos a alcançar um dos maiores desafios do nosso país: a produção de energia sustentável".

"Esperamos que o processo contínuo de actualização do NDC, contribua para divulgar o conhecimento e reforçar a consciência nacional sobre a necessidade de agir urgentemente para combater as alterações climáticas e os seus impactos, especialmente neste contexto de recuperação económica pós-pandémica", disse Katarzyna Wawiernia, Representante Residente do PNUD em São Tomé e Príncipe. "Os novos objectivos de São Tomé e Príncipe irão encorajar a economia verde e azul sustentável. Para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa de sectores como a energia e a gestão de resíduos, temos esperança de que questões-chave de desenvolvimento como a energia e a gestão de resíduos possam ser abordadas", disse Katarzyna Wawiernia, Representante Residente do PNUD em São Tomé e Príncipe.

O especialista em alterações climáticas e energia do PNUD, Enrico Dal Farra, gestor de projecto do projecto “Cumprindo a Promessa Climática” em STP, sublinhou o carácter estratégico e trans-sectorial do NDC actualizado. "Sectores produtivos como a pesca e a agricultura que, tal como em outros Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento, mostram uma elevada vulnerabilidade climática em São Tomé e Príncipe, tal como em outros Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento. São, portanto, centrais no NDC do país para assegurar a resiliência do tecido socioeconómico do país, especialmente dos grupos mais vulneráveis e mais pobres".

O PNUD apoiou o novo compromisso climático de São Tomé e Príncipe através da Promessa Climática, reforçando a resiliência dos sectores-chave da economia azul e aumentando a transição das energias renováveis com a prevista produção de ER de 49 MW. A Promessa Climática do PNUD visa apoiar a acção climática global e transformadora, apoiando os países a reforçar os seus NDC em 2021 e mais além. A iniciativa que está a ser implementada em mais de 118 países - tornando-a a maior oferta mundial de apoio deste tipo. A Promessa Climática do PNUD é apoiada pela Alemanha, Suécia, UE, Itália, Espanha e outros contribuintes centrais.

#######

Clica aqui  para ler na íntegra o CND de São Tomé e Príncipe.

Para mais informações sobre a Promessa Climática, por favor visite:
https://www.undp.org/content/undp/en/home/climatepromise.html

Para mais informações e entrevistas, contactar:

Edlena Barros, edlena.barros@undp.org +239 2221122

 

 

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD São Tomé e Príncipe 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue