Fotos: Edlena Barros

Sob o lema “a Violência no Namoro” o evento pretende ser um espaço de discussão pertinente de temas transversais aos jovens da CPLP.
O evento tem por objectivo criar uma plataforma em que seja possível facilitar a união entre os jovens da CPLP, consciencializar os jovens sobre os seus direitos e deveres garantidos pela carta da Juventude, promover o debate democrático, estimular a cooperação e a transmissão de conhecimento e persuadir os Estados Membros a implementar internamente as resoluções aprovadas no parlamento.
O Parlamento é composto por jovens entre os 15 e os 17 anos. Já confirmaram presença, as delegações de todos os países da CPLP, nomeadamente, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.
Numa conferência de imprensa dada hoje num dos hotéis da capital o Ministro da Juventude, Desporto e Empreendedorismo, Vinício Pina, disse que “esperemos que este seja um espaço que os jovens possam usar para discutir e reflectir sobre assuntos importantes e que possam gerar a emancipação da juventude, que é o nosso objectivo final”.
As Agências das Nações Unidas (PNUD, UNICEF, UNFPA) são parceiras do Governo na realização deste grande evento internacional. Na sua intervenção a Coordenadora das Nações Unidas, Zahira Virani, disse que o Parlamento Juvenil da CPLP tem o propósito de empoderar os jovens e adolescentes a exercerem os seus direitos na tomada de decisões colectivas. Por isso “acreditamos que irá munir aos jovens de conhecimentos e experiência na busca de melhores soluções para os inúmeros problemas com que se debatem. Neste espaço, os jovens e adolescentes poderão trocar experiências sobre a realidade de cada um dos seus países e criar planos de acção e estratégias conjuntas de protecção e promoção dos jovens e adolescentes nos países da CPLP”, finalizou a Coordenadora Residente.
A conferência de Imprensa marca o primeiro ato público para a realização da 1ª edição do Parlamento Juvenil da CPLP.

PNUD PNUD no mundo

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Croácia Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Emirados Árabes Unidos Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Federação Russa Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue