Recupere-se e fique ainda melhor- Defenda os Direitos Humanos.

Achim Steiner

Em todo o mundo, a pandemia COVID-19 restringiu uma ampla gama de direitos humanos básicos que muitas pessoas consideravam garantidos - desde o direito de sair de casa ou de fazer compras até o direito de viajar ou de se encontrar com a família e os amigos. Muitas dessas medidas foram necessárias para enfrentar a pandemia de frente, mas podem afetar inadvertidamente os meios de subsistência e a segurança das pessoas, seu acesso à saúde, alimentação, água e saneamento, trabalho e educação. Ao mesmo tempo, sabemos que respostas à pandemia que respeitem os direitos humanos resultarão em melhores resultados ao derrotar a COVID-19. Também ajudará a garantir saúde para todas e todos, ao mesmo tempo em que estimulará o desenvolvimento inclusivo e sustentável.

 No Dia Internacional dos Direitos Humanos, somos lembrados de como a crise da COVID-19 exacerbou a vulnerabilidade dos menos protegidos e mais marginalizados em nossa sociedade. Crises em curso, especialmente conflitos armados, colocam os direitos humanos e outras proteções legais internacionais sob pressão extra. O mundo também testemunhou uma pandemia paralela de crescente violência de gênero. Na verdade, mulheres e homens, crianças, jovens e idosos, refugiados e migrantes, pobres, pessoas com deficiência, pessoas encarceradas, minorias, pessoas LGBTI, entre outras, estão todas sendo afetadas de forma diferente. No entanto, não se está fazendo o bastante. Por exemplo, uma "checklist" sobre como integrar os direitos humanos destaca a necessidade clara de os países incorporarem ainda mais os direitos humanos em sua resposta socioeconômica à crise.

 Com isso em mente, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) está adotando uma abordagem baseada nos direitos humanos para a resposta à COVID-19 que coloca as pessoas no centro da recuperação. Baseia-se nos princípios de participação e inclusão; responsabilidade e Estado de Direito; bem como em não-discriminação e igualdade. Nosso apoio inclui tudo, desde ajudar a reduzir a superlotação das prisões no Mali até apoiar os meios de comunicação e os jovens com a disseminação de informações corretas no Camboja. E, para reconstruir melhor, devemos promover uma recuperação que também respeite os direitos das gerações futuras. Isso inclui melhorar a ação e a justiça climáticas para trabalhar em direção à neutralidade de carbono até 2050 - e intensificar os esforços para restaurar nosso mundo natural. Para tanto, o PNUD está ajudando os governos a inserir o “DNA” de uma economia verde e de baixo carbono em todas as medidas de recuperação e estímulo - por exemplo, por meio de nossa Promessa do Clima, que atualmente apoia 115 países. Além disso, o PNUD continua a apoiar as Instituições Nacionais de Direitos Humanos que desempenham um papel central no fornecimento de respostas baseadas em direitos para a crise climática e a pandemia de COVID-19 - de Bangladesh a Serra Leoa e além.

 E dado que a luta bem-sucedida contra a COVID-19 depende da imunização em massa - precisamos de uma “vacina do povo”, que deve ser vista como um bem público global. Um grupo de especialistas em direitos humanos da ONU recomendou que “todos os esforços para prevenir, tratar e conter COVID-19 devem ser baseados nos princípios fundamentais dos direitos humanos de solidariedade, cooperação e assistência internacional". Eles argumentam que “não há espaço para nacionalismo ou lucratividade na tomada de decisão sobre o acesso a vacinas, testes essenciais e tratamentos ...”.

 Neste momento crítico, os países devem garantir que todas as respostas à pandemia sejam moldadas pelo respeito aos direitos humanos. O PNUD está empenhado em defender os direitos humanos para ajudar o mundo a vencer a pandemia e impulsionar o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável - em última análise, ajudando o mundo a sair desta crise com sociedades mais sustentáveis ​​e iguais.

 Achim Steiner, Administrador mundial do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD São Tomé e Príncipe 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue