--- Image caption ---

A transição para a energia limpa é uma das principais prioridades de São Tomé e Príncipe para reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa. Os impactos socioeconómicos da pandemia da COVID-19 reforçaram ainda mais a determinação do governo em acelerar a sua acção climática para uma recuperação verde.

Para tornar este ambicioso objectivo uma realidade, o governo apelou esta semana aos actores do sector multilateral e privado a juntarem-se aos seus esforços na intensificação da transição do país para uma energia limpa.

"Queremos transformar esta situação numa oportunidade única para estabelecer plenamente na prática a visão de uma recuperação verde e inclusiva, atraindo parceiros para nos apoiarem na nossa jornada rumo à energia limpa", disse o Ministro das Infra-estruturas, Obras Públicas, Recursos Naturais e Ambiente S.E. Osvaldo Abreu num evento de alto nível sobre energia limpa co-organizado pelas missões dinamarquesas e etíopes à ONU, antes da Assembleia Geral da ONU.

Esta aceleração baseia-se em sucessos anteriores. Como parte da Promessa Climática, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA) têm estado a ajudar o governo a perseguir uma maior ambição nas suas Contribuições Determinadas a Nível Nacional (NDCs).

As instituições parceiras estão agora a ajudar a traduzi-las em acção através da Plataforma de Investimento Climático (CIP). A Plataforma de Investimento Climático é uma parceria que apoia através da declinação do espaço de financiamento climático e da facilitação de investimentos em energia limpa.

A CIP está a desenvolver, em conjunto com o governo, formas inovadoras de aumentar a quota de energia renovável e proporcionar o acesso a soluções descentralizadas de energia. Isto apoiará o país no desenvolvimento de uma maior capacidade distribuída de energia limpa e um melhor acesso à energia para as famílias e empresas nos sectores do turismo, saúde e agricultura.

Para tal, o CIP iniciou um processo para desenvolver o Programa de Promoção da Energia Sustentável, um programa abrangente de energia renovável para o país. O PNUD planeia utilizar a sua vasta experiência no acesso ao financiamento do Fundo para o Ambiente Global e combiná-lo com os conhecimentos e capacidade técnica da IRENA para conceber soluções sustentáveis, adaptadas e contextualizadas - integrando assim a conservação da rica e única biodiversidade do país na concepção de projectos de energia limpa.

Os parceiros CIP também apoiarão o governo na defesa de uma transição para a energia limpa, e estão a criar ligações entre projectos, actores, doadores e fontes de financiamento locais, da região e internacionais.

Esta semana, o CIP iniciou formalmente o seu apoio com uma série de eventos que reúnem agentes de desenvolvimento nacionais e internacionais para desenvolver um plano de acção para uma transição para a energia limpa que permita o investimento em energias renováveis, preservando simultaneamente a biodiversidade única do país. Para além do evento de alto nível sobre energia limpa que antecedeu a Assembleia Geral da ONU, outro evento convocou instituições governamentais nacionais e regionais, representando os sectores da energia, ambiente, alterações climáticas e agricultura, ONGs, e organizações internacionais. Todos os participantes concordaram em avançar com um plano de transição energética que se concentra em acelerar a criação de um ambiente regulador que permita investimentos privados em projectos de energia renovável de grande escala.

O governo, juntamente com a Plataforma de Investimento Climático e os seus parceiros, estão agora a elaborar um roteiro para continuar a viagem do país em direcção a uma energia limpa e cumprir os seus ambiciosos objectivos climáticos.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD São Tomé e Príncipe 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue