O Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lançou hoje um Plano Global de Resposta Humanitária de US$ 2 bilhões para combater o COVID-19 em alguns dos países mais vulneráveis ​​do mundo. Este plano de resposta visa proteger milhões de pessoas e impedir que o vírus se propague ao redor do mundo repetidamente.

O PNUD une-se ao Secretário-Geral, à OCHA e à OMS, bem como à comunidade humanitária, pedindo uma resposta internacional urgente e conjunta a esta ameaça sem precedentes.

Essa pandemia já está presente em mais de 185 países e está a afectar milhões. Uma ameaça global desta magnitude requer solidariedade global para apoiar os países mais vulneráveis ​​à medida que lidam com a crise que se desenrola.

Os países que já estão em crise por causa de conflitos, desastres naturais e mudanças climáticas estão em maior risco.

Precisamos de nos unir para fortalecer a resposta imediata à saúde, particularmente onde os sistemas de saúde são fracos. E devemos ajudar a salvar as vidas das milhões de pessoas deslocadas internamente e refugiados que já vivem em assentamentos superlotados. O mundo é tão forte quanto o nosso sistema de saúde mais fraco.

O COVID-19 é uma crise de saúde massiva e também é uma crise humanitária e de desenvolvimento. Ameaça criar devastadoras crises sociais, económicas e políticas que podem deixar cicatrizes profundas nos próximos anos – revertendo os ganhos de desenvolvimento alcançados nos últimos 20 anos.

Os países em desenvolvimento podem perder pelo menos US $ 220 bilhões em rendimento, o que se traduz em empregos perdidos, fábricas fechadas e governos sobrecarregados em alguns dos países mais pobres e vulneráveis ​​do mundo.

Com a OMS e as nossas agências irmãs da ONU, o PNUD está a trabalhar com governos em suas necessidades mais urgentes do sistema de saúde e está pronto para responder às necessidades de recuperação em países ao redor do mundo.

Por mais de 50 anos, o PNUD permaneceu com os mais pobres e mais vulneráveis.

Suportaremos isto juntos e recuperaremos e reconstruiremos juntos.

- Achim Steiner, Administrador do PNUD

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD São Tomé e Príncipe 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue