Nova York, 26 de agosto – A crise social e econômica sem precedentes causada pela pandemia da COVID-19 jogou luz sobre o papel das finanças digitais de oferecer alívio a milhões de pessoas em todo o mundo, apoiando empresas e protegendo empregos e meios de subsistência.

Embora a pandemia demonstre os benefícios imediatos das finanças digitais, o potencial disruptivo da digitalização para transformar o mundo das finanças é imenso. Tecnologias de pagamentos por celular têm transformado aparelhos celulares em ferramentas financeiras para mais de um bilhão de pessoas. O meio digital vem apoiando a inteligência artificial e big data no avanço de criptomoedas e criptoativos, empréstimos entre pares (peer-to-peer), plataformas de crowdfunding e mercados online. Bancos têm investido mais de USD 1 trilhão no desenvolvimento, integração e incorporação de tecnologias emergentes. Em 2018, os investimentos em “fintechs” chegou a USD 120 bilhões, um terço do financiamento do capital de risco global.

Hoje, um novo relatório, “Dinheiro Público: Aproveitando a Digitalização para Financiar um Futuro Sustentável”, elaborado pela Força-Tarefa do Secretário-Geral da ONU para Finanças Digitais, estabelece uma ambiciosa Agenda de Ação.  A ideia central do relatório é demonstrar como as finanças digitais podem ser aproveitadas de forma a empoderar cidadãs e cidadãos, enquanto contribuintes e investidores, para conceber uma transformação digital que melhor alinhe o dinheiro público às necessidades das pessoas, coletivamente expressas nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

O relatório destaca como bilhões de pessoas em todo o planeta respondem à pandemia da COVID-19 por meio de ferramentas digitais para trabalhar, consumir e socializar-se. O documento argumenta que há uma oportunidade histórica de aproveitar a digitalização para colocar cidadãs e cidadãos, donos por excelência dos recursos financeiros mundiais, no controle das finanças para garantir que elas atendam a suas necessidades, hoje e no futuro.

A Força-Tarefa identificou cinco oportunidades catalisadoras para aproveitar a digitalização, alinhando o financiamento aos ODS. Juntas, elas cobrem grande parte das finanças globais:

Alinhar os vastos fluxos dos mercados globais de capital com os ODS.
Aumentar a efetividade e a prestação de contas do financiamento público que compõe parte significativa da economia global.
Canalizar poupanças domésticas agregadas digitalmente para financiamento em desenvolvimento de longo prazo.
Informar cidadãs e cidadãos sobre como associar seus gastos de consumo com os ODS.
Acelerar o financiamento vital para o emprego e para o mundo das pequenas e médias empresas geradoras de renda.

A Agenda de Ação da Força-Tarefa é um chamado para a ação às empresas, formuladores de políticas e para os gestores de finanças fazerem o que for necessário para oferecerem oportunidades nesses contextos. A Agenda especifica não somente “o que” deve ser feito, mas “como”: investimentos, novas capacidades e inovações de governança "dão conta do serviço".

A Força-Tarefa conclui que aproveitar a digitalização para o bem é uma escolha, não uma fatalidade impulsionada pela tecnologia. A Agenda de Ação indica ações necessárias para superar os riscos digitais que, se não forem mitigados, podem aprofundar a exclusão, a discriminação e as desigualdades, e separar as finanças das necessidades de um desenvolvimento inclusivo e sustentável.

De acordo com o Secretário-Geral da ONU, António Guterres,“as tecnologias digitais, que estão revolucionando os mercados financeiros, podem ser um divisor de águas aos nossos objetivos comuns. A Força-Tarefa de Financiamento Digital dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável proporciona liderança para aproveitarmos a revolução digital.”

Na opinião do Administrador do PNUD e vice-presidente da Força Tarefa, Achim Steiner, "a pandemia da COVID-19 está revelando o incrível potencial de impacto transformador das finanças digitais. Transferências digitais permitem que governos ajudem as pessoas mais necessitadas. Plataformas de crowdfunding têm mobilizado recursos para materiais médicos e ações emergenciais, e empréstimos baseados em algoritmos significam que pequenas empresas têm acesso mais rápido a recursos. A velocidade da expansão dessas tecnologias é surpreendente, mas o progresso não é automático. Para a digitalização ser uma verdadeira força a favor dos ODS, os avanços tecnológicos devem estar combinados com políticas sólidas que empoderem cidadãs e cidadãos e permitam nosso sistema financeiro atender aos desafios urgentes de investimento que devem ser superados para construirmos um futuro melhor.”

Sobre a Força-Tarefa

A Força-Tarefa foi estabelecida pelo Secretário-Geral da ONU para recomendar e catalisar formas de aproveitar a digitalização, acelerando o financiamento aos ODS. Ela reuniu 17 líderes dos setores de finanças, tecnologia, políticas, regulação e desenvolvimento internacional e envolveu centenas de instituições financeiras, governos, entidades reguladoras, organizações da sociedade civil, centros de pesquisa e grupos de especialistas em dezenas de países.

A Força-Tarefa é co-presidida por Achim Steiner (Administrador do PNUD) e Maria Ramos (até recentemente CEO do grupo ABSA). Seus membros são Maiava Atalina Emma Ainuu-Enari Presidente do Banco Central de Samoa e de seu Conselho), Henrietta H. Fore (diretora do UNICEF), Mats Granryd (diretor-geral da Associação Industrial de Comunicação GSMA), Piyush Gupta (CEO do Banco DBS), /Natalie Jabangwe (CEO da EcoCash), Eric Jing (presidente executiva do Grupo Ant), Bradley Katsuyama (fundador e CEO do IEX), Pooma Kimis (diretor da Pesquisa Autônoma), Liu Shenmin (Subsecretário-Geral do DESA-ONU), Phumzile Mlambo-Ngcuka (Subsecretária-Geral da ONU Mulheres), Ambareen Musa (fundadora e CEO da Souqalmal), Patrick Njoroge (presidente do Banco Central do Quênia), Ceyla Pazarbasioglu (vice-presidente do Banco Mundial), Richard Samans (Diretor Administrativo e Membro do Conselho de Administração, WEF) Aurelie Adam Soule Zoumarou (ministro da Economia Digital e Comunicações, governo de Benin).

Os membros da Força-Tarefa trabalham de forma pessoal de forma pessoal, sem representarem, necessariamente, suas organizações. Nós agradecemos à Alemanha, à Itália e à Suíça por seus financiamentos para apoiar a Força-Tarefa.

O relatório está disponível no site https://digitalfinancingtaskforce.org/.

PNUD PNUD no mundo

Você está em PNUD São Tomé e Príncipe 
Ir a PNUD Global

A

Afeganistão

Á

África do Sul

A

Albânia Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Azerbaijão

B

Bahrein Bangladesh Barbados Belize Benim Bielorrússia Bolívia Bósnia e Herzegovina Botsuana Brasil Burkina Faso Burundi Butão

C

Cabo Verde Camarões Camboja Casaquistão Chade Chile China Chipre Colômbia Comores Costa do Marfim Costa Rica Cuba

D

Djibouti

E

Egito El Salvador Equador Eritréia Escritório do Pacífico Essuatíni Etiópia

F

Filipinas

G

Gabão Gâmbia Gana Geórgia Guatemala Guiana Guiné Guiné-Bissau Guiné Equatorial

H

Haiti Honduras

I

Iêmen Ilhas Maurício e Seychelles

Í

Índia

I

Indonésia Irã

J

Jamaica Jordânia

K

Kosovo Kuwait

L

Lesoto Líbano Libéria Líbia

M

Macedônia do Norte Madagascar Malásia Malauí Maldivas Mali Marrocos Mauritânia México Moçambique Moldova Mongólia Montenegro Myanmar

N

Namíbia Nepal Nicarágua Níger Nigéria

P

Panamá Papua Nova Guiné Paquistão Paraguai PDR do Laos Peru Programa de Assistência ao Povo Palestino

Q

Quênia Quirguistão

R

República Centro-Africana República Democrática do Congo República do Congo República do Iraque República Dominicana República Popular Democrática da Coreia Ruanda

S

Samoa (Escritório Multi-País) São Tomé e Príncipe Senegal Serra Leoa Sérvia Síria Somália Sri Lanka Sudão Sudão do Sul Suriname

T

Tailândia Tajiquistão Tanzânia Timor-Leste Togo Trinidad e Tobago Tucormenistão Tunísia Turquia

U

Ucrânia Uganda Uruguai Uzbequistão

V

Venezuela Vietnã

Z

Zâmbia Zimbábue